Reunião do Comitê de Monitoramento da Cheia 2018
Reunião do Comitê de Monitoramento da Cheia 2018

A Defesa Civil do Amazonas realiza hoje, 24, a 1ª. Reunião do Comitê Técnico de Monitoramento da “Cheia 2018”, com instituições oficiais do clima e da hidrologia do Estado. Durante o evento, os órgãos vão apresentar um prognóstico para uma possível enchente este ano e as ações de resposta ao desastre que já estão sendo adotadas, como a aquisição pelo Estado, de embarcações para atender as calhas.

“Em um trabalho preventivo, a Defesa Civil do Estado adquiriu duas embarcações que vão atender as calhas do Juruá e Médio Amazonas em possíveis situações de emergência”, enfatizou o Secretário do órgão, Fernando Pires Junior.

Embarcações- As primeiras embarcações adquiridas pelo Governo do Estado para as calhas do Juruá e Médio Solimões, serão utilizadas na logística de socorro aos afetados, deslocamento de famílias isoladas, monitoramento de áreas atingidas, distribuição de ajuda humanitária, entre outras ações. Os barcos que tem capacidade para transportar até 10 passageiros e 1.200 quilos de carga.

Plano de Contingência- No gráfico de desastres da Defesa Civil AM, as calhas do Juruá e Purus são as primeiras regiões afetadas no Estado com inundações. Com o possível estabelecimento de uma cheia de grande porte em 2018, o órgão se prepara para o atendimento médio de 17.592 famílias.

Enchente- Em 2017, a enchente provocou emergência em 39 municípios. Mais de 65 mil famílias foram afetadas. A Defesa Civil do Estado fez a distribuição recorde de mais de 1.400 toneladas  de alimentos não perecíveis, para garantir a proteção alimentar dos ribeirinhos. Além dessa ajuda, foram disponibilizados a população, kit´s dormitório (colchões, redes, mosquiteiros, lençóis, fronhas); kit´s de higiene pessoal  (toalha de banho, fraldas infantil e geriátrica, creme dental, escova de dente, sabonetes, absorventes); medicamentos para doenças de veiculação hídrica; filtros de água; galões de água potável; hipoclorito de sódio para a purificação da água; kit’s de madeira (para a construção de pontes e marombas), barracas de emergência e ainda motores bombas (para o auxilio na agricultura).

Ações de prevenção- Conforme previsto na lei 12.608 que trata da Politica Nacional de Defesa Civil, o órgão Estadual promoveu cursos de capacitação aos gestores municipais, com foco nas ações de prevenção e resposta aos desastres naturais, característicos da região amazônica, visando possíveis desastres este ano.

Entre as iniciativas foi realizada no ano passado a “Oficina de Capacitação em Proteção e Defesa Civil”, que contemplou, 50 coordenadorias de Defesa Civil de todo o Estado do Amazonas, que fazem parte das calhas do Baixo e Médio Amazonas, Médio e Alto Solimões, Negro, Purus e Madeira.

Entre as instruções técnicas, os gestores foram qualificados para a decretação, homologação e reconhecimento de “Situações de Emergência” e “Estado de Calamidade Pública”; Plano de contingência; uso do Cartão de Pagamento de Defesa Civil (CPDC); Prestação de Contas, entre outros temas.

Outra medida adotada pelo órgão para preparar as cidades, foi o curso de “Preparação para Emergência”, no qual  voluntários e agentes da Defesa Civil do interior, foram treinados por técnicos da Defesa Civil do Estado, para atuar em situações de desastres naturais, bem como em situações adversas de emergência.